Geração o que? Belle Epoque, Baby boomer, X, Y, Z . . . e a próxima, Alfa? . . .

O mundo vem mudando, os mercados vêm evoluindo, as pessoas podem ter opiniões e tiveram experiências diferentes, viveram em épocas distintas, tem valores e visões de mundo próprias. No passado, não era direito conhecer, participar, opinar e muito menos decidir. Com os novos tempos, é imperativo conhecer, participar, opinar e decidir, porque não é mais possível manter boa performance, ao atender as demandas do trabalho, sem o que chamam engajamento, que pressupõe alinhamento de interesses e compromissos pessoais e empresariais. Sem alma empregada, alinhamento entre a missão da empresa e a missão do indivíduo, a relação de emprego, e sua rentabilidade para as partes, não se sustenta por tempo adequado. No passado, a necessidade de sobrevivência impingia o alinhamento com a anulação do ser, da cidadania; a realização não se dava no trabalho, a possibilidade de usufruir a vida se dava, prioritariamente, fora do trabalho, parecia a venda da alma, mas essa, os trabalhadores, por mais que fossem exigidos, explorados, não conseguiam e não conseguem entregar. E caso, a chegassem a vender, a alma (mesmo não a entregando), somente se demonstraria o desequilíbrio que os sistemas de controle causaram e podem causar aos trabalhadores, lhes tirando até sua identidade, lhes privando de suas inteirezas, integridades.

Diante desses cenários, o passado e o presente, a opressão e a democracia, o mundo empresarial vem debatendo o que chamam conflito de gerações e, muitas vezes, o colocando como um dos problemas que tem impedido ou atrapalhado os empreendimentos em seu dia-a-dia.

O desvirtuamento dos resultados dos trabalhos psicológicos, sociológicos e antropológicos, quanto às gerações e seus conflitos, têm contribuído para que divergências apontadas, principalmente, pelos jovens como empregados, sejam desqualificadas de origem, isto é, especialmente, a depender de quem as faz, podem ou não ter a devida atenção, serem consideradas. Pior do que isso, o uso leviano dessas pesquisas induz as empresas a considerar que boa parte dos problemas com a gestão de pessoas, com impactos crescentes nos negócios, são causados pelo modo de ser de uma ou outra geração.

As mesmas pesquisas, muito propaladas, que tentam qualificar as diferentes gerações que convivem no mercado de trabalho, têm levado o mundo empresarial à estereotipação de seus profissionais, contribuindo para o exercício do preconceito e da discriminação (“estereotipação psicologisante”), possibilitando que se impinja a todos que desejam contribuir para a solução, a pecha de ser o problema, pelo menos, de algum ponto de vista. Desse modo, todos se prejudicam, sejam as velhas gerações ou as novas. O pessoal mais experiente leva a pecha de lerdo, alheio ao desenvolvimento tecnológico, resistente às mudanças e à passagem do conhecimento, preconceituosos com o pessoal que vem chegando. Enquanto o pessoal que está chegando ao mercado de trabalho, e outros que somente estão chegando a uma nova empresa, levam a pecha de carreiristas, arrogantes, cabeça nas nuvens, imediatistas.

Esquecer que há um processo histórico em curso, em que os direitos e o Direito (a Justiça como valor) têm evoluído a fim de proteger a individualidade e a coletividade, isto é, promovê-las a melhores patamares, é negar as conquistas da luta da classe trabalhadora por melhores condições de trabalho, maior valorização e retribuição a cada trabalhador, e a exigida e decorrente convergência da prática empresarial com a vida plena de todos, não só de seus trabalhadores (Responsabilidade Social e Sustentabilidade, Qualidade de Vida).

Desse modo, é mais que natural que o trabalhador, tenha nascido em que ano for, com o passar do tempo, verifique que a aquisição de alguns direitos, pela luta de uns, garantirá o alicerce para o usufruto dos mesmos por outros, bem como condição para a conquista de novos direitos. O exercício da Democracia e da Cidadania se dá pela garantia e criação de novos direitos, e o mundo do trabalho, do trabalhador, do sujeito como criador e realizador é a espinha dorsal do aprofundamento dos direitos e dos valores democráticos. Assim, o conflito de gerações se dá pela necessidade de evoluir, experimentar o novo mundo, com novos instrumentos e sentimentos, usufruir conquistas que diretamente não contribuiu para obtê-las e lutar por novas conquistas que irá usufruir e outras que somente as novas gerações exercerão. Desse modo, os filhos (nova geração), no papel de empregados, estão no mundo, não para superar ou se aproveitar da construção dos pais, mas para realizar junto com eles, a partir deles e após eles. Por isso, esse processo de evolução, se deve dar pela generosidade que pai e mãe têm com seus filhos ao lhe impor limites, mas não lhes limitar evoluir, mas sim, garantir os alicerces para passos mais firmes, até do que aqueles que ao seu tempo puderam dar, pois, aos filhos, às novas gerações, melhor deverá ser o mundo e a vida, a empresa e o trabalho. Nessa linha, se destacará uma geração como vencedora, quando, a geração que chega, o faz em melhores condições que a geração que passa, isto é, o sucesso da geração que passa é a melhor condição para a geração que chega.

Portanto, o maniqueísmo da tipificação das gerações, somente contribui para o preconceito e um falso conflito. Falso, porque a convivência com a diversidade é um exercício que todos estão obrigados, e a questão da geração, é só mais uma faceta da mesma. Conhecer este ângulo e esta faceta pode ajudar a uma análise mais complexa, mas o que temos visto é a simplificação que termina na estereotipação e no exercício do preconceito e da discriminação dos trabalhadores e entre todos os trabalhadores.

Finalizando, à luz dos meus pouco mais de 8 anos de empresa, agradeço aos colegas mais experientes, e que muito já contribuíram e lutaram, e me sinto gratificado pelo que contribuí e realizei e que os colegas mais novos se apoderam e se fortalecem para também realizar.

Viva a Diversidade !

Até mais.
Vinícius Camargo

Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em Métodos de opressão e perseguição e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Geração o que? Belle Epoque, Baby boomer, X, Y, Z . . . e a próxima, Alfa? . . .

  1. Vinícius Camargo disse:

    Convívio de Gerações – Palestra da Professora Karla Régnier, da UFRJ
    Debate na Petrobras – 16/08/2011

    http://portalpetrobras.petrobras.com.br/PetrobrasPortal/appmanager/portal/desktop?_nfpb=true&_pageLabel=webtv_canal_a_petrobras&videoId=video_publicado_001481&idConteudo=webtv_canal_000004

    Parabéns pela palestra e, especialmente, pela exposição dos mitos, estereótipos, em relação a cada geração.

    • Vinícius Camargo disse:

      Seria engraçado, se não fosse triste, como a mídia introduziu o assunto “Conflito de Gerações” de forma desvirtuada entre os trabalhadores e como os mitos foram incorporados aos discursos dos “diferentes” grupos.

      Até mesmo, após a palestra, em que se apresentou os mitos e estereótipos para desmistificá-los, os preconceitos estereotipantes foram externados no padrão incutido pela mídia no debate final, isto é, o padrão que divide, cria barreiras de empatia e reconhecimento do outro ainda foram predominantes no sentimento das pessoas.

      Este é o efeito enviesado de processarmos as informações depois que já “formamos nossa opinião”: resistimos em ouvir argumentos contrários e somente absorvemos argumentos que reforçam nossas “crenças”.

      Temos que tomar cuidado para não cair em armadilhas que colocam os trabalhadores para brigarem entre si.

  2. Vinícius Camargo disse:

    Debate na Petrobras – 16/08/2011
    Web Tv mostra hoje (16/08) debate sobre convívio de gerações do ambiente de trabalho
    Evento vai ao ar às 14h, pelo Canal Panorama e terá palestra da professora Karla Régnier, da UFRJ, e mesa redonda com empregados da Petrobras de diferentes gerações

    http://portalpetrobras.petrobras.com.br/PetrobrasPortal/appmanager/portalp/desktop?_nfpb=true&_pageLabel=dctm_noticia_a_petrobras&idConteudo=petro_noticia_000804&areaAtual=a_petrobras

    WebTV – Canal Panorama
    http://portalpetrobras.petrobras.com.br/PetrobrasPortal/linkbuilder/desktop?areaContentTypeId=/a_petrobras/webtv_canal/webtv_canal_000004&areaAtual=a_petrobras

COMENTÁRIOS? Os faça no quadro abaixo. Caso queira responder a um comentário já realizado, clique no link "Responder" do respectivo comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s